sexta-feira, 21 de setembro de 2018

POETA NÃO SOU 166


San Marti

Não me puxes mar.
Não te posso Amar.
Nem sei cavalgar
Nos teus cavalos marinhos
Ou nas abas de uma raia.
Já tenho a minha paixão:
A solidão.
Me mareio
Com a tua profundidade
Ou com o bailar
Da tua onda.
Suporto mal 
As tuas fúrias
E os teus vendavais.
No entanto,
Me enamora
A tua calmaria
Da maré baixa
E o teu cantar,
Sempre a chamar.
15Set2018
JC

segunda-feira, 20 de agosto de 2018

POETA NÃO SOU 165

MANA OLGA

Não me olhes
Tão de perto,
Que o teu olhar,
Me fere
E me fecunda
De Amor fraterno.
Fecha os olhos
E deixa-me sonhar,
Que somos irmãos.
Estendo a mão
E tateio o invisível
E sinto de Antemão,
Que toco a tua mão.
E o teu espírito
Afaga o meu coração.
20AGO2018
JC

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

POETA NÃO SOU 164

FEITIÇARIA

Nasci com passado,
Nasci marcado,
Nasci com pecado,
Sui generis, original.
Pecado sem memoria 
Nem consciência.
Pecado original,
Que me roubou
A pureza e a inocência.
Como se a minha procriação
E geração
Fosse marcada
Por vinho azedado
E sangue adulterado,
Contaminado.
Como se 
Essa viagem louca
Do espermatozoide
Fulminante,
Atomica,
Fosse uma maldição
E não uma benção
Do Amor, da união.
Fatal contradição. 
Nascer trucidado
Pelo passado não vivido
E pelo pecado sem original.
Pecado original, 
Um milagre,sim,
Pecaminoso e diabólico.
O meu nascimento
Puro e abençoado.
05/02/2018
J.C.


quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

POETA NÃO SOU 162

Um minuto

Da-me
Um minuto,
Para contigo, 
Poder conversar,
Em silencio.
Da-me 
Um minuto,
Para contigo,
Poder conversar
Atraves, apenas, 
Do nosso olhar.
Da-me
Um minuto,
Para contigo,
Poder estar,
Olho no olho
E o nariz encostar.
Da-me 
Um minuto,
Para nesses 
Felizes instantes,
Podermos dizer
O que nos vai na alma
E em silencios
Constantes,
Poder-mos 
Transmitir,
Sentimentos, antes, 
A ninguem ditos.
Da-me 
Um minuto,
Para os meus labios 
Aos teus encostar,
E poder guardar,
Eternamente,
Esse momento 
De grande felicidade.
Da-me 
Um minuto
E pergunta 
Se nos amamos.
Dez 99
JC
POETA NÃO SOU 161



MUSA

Aproxima-te
Enrosca-te
Cola-te
Com a melhor 
Super cola.
Para que 
Não te possas arrepender.
E se acontecer
Fiques eternamente
Tatuada
Em toda tua pele.
E recordes
Que quebras-te
Um juramento.
Desenroscada,
Descolada,
Recorda 
A minha alma 
Destrocada
E ensanguentada.
Mas ainda sonhando
E apaixonada.
31/01/2018
J.C.

terça-feira, 19 de dezembro de 2017

POETA NÃO SOU 160

TORRÃO

Parece
Torrão de chocolate,
Que apetece
Meter na boca, 
Saboreando,
Sua doçura,
Sem trincar.
Deixando derreter,
Lentamente,
Absorver seu gosto
Doce, doce,
Que me faz esquecer
Amargos de fel.
Pareces 
Torrão de chocolate ,
Que apetece
Trincar,
Para mais rapidamente
Tua doçura beber.
E esse torrão 
Poder transformar
Numa bela mulher,
Que se quer
E deseja Amar.
Instantes de felicidade,
Que bailam 
Na minha imaginação
E que lamento 
Não poder ser
Realidade.
Que lamento 
Apenas serem
Ficção, imaginação, 
Que não
Uma realidade
Existente 
No meu coração.
DEZ 99
JC


POETA NÃO SOU 159

PRINCESA

Princesa encantada
Nas teias movediças,
Que o Amor tece.
Mas nem sempre fornece
O calor, a força,
Que nos liberta.
E o Amor fenece, 
Lentamente,
Num desespero constante,
Gritante,
Que nos atrofia
E nos rouba a alegria.
Fora eu
O teu príncepe encantado,
Para te libertar,
Para te devolver
A tua alegria,
A tua força de Amar.
De alegria morreria, 
Se eternamente,
Nos pudesse-mos Amar.
DEZ 99
JC