sexta-feira, 23 de junho de 2017

POETA NÃO SOU 120

Não me interessa 
O teu mundo,
Irrealista e sem fundo, 
Vivendo de sonhos
E de ideias defuntas.
Vives do sonho
Em levitação
À espera do que seja,
Não do que é, do que são,
As coisas, os sentimentos,
E tambem os sofrimentos.
A vida não é 
De sonhos, nem imaginação,
Mas de coisas reais, 
Que como tais,
Todos temos que resolver.
E que nenhum deus do alem
Nos pode ajudar a solver.
Não quero o sofrimento
Nem aceito a desgraça,
Como satisfação,
Do meu viver em graça.
JUN98
JC 


POETA NÃO SOU 119 

PRIMAVERA

Eras uma andorinha
Que ficou
Adormecida,
E não foi 
Com a primavera
Ficando no meu beiral.
E cada vez
Que te olhava
Aconteciam coisas mil.
E todo o ar
Era primaveril.
De repente
A tempestade. 
Já partiu 
A minha andorinha
E primavera
Já não tinha.
A outro beiral
Que a faz mais mais feliz
Se encostou.
Não lhe levo a mal.
Mas poucas primaveras
Vou ter.
Passarei a ter 
Um tempo invernal.
JAN 98
JC
POETA NÃO SOU 118 

Custa 
Estar apaixonado.
Sofrer em silêncio 
Pela amada.
Que esta longe,
Aprisionada
Das amarras e teias
Pela vida criadas.
Sem liberdade
Para me libertar.
Deste sofrimento
Interno e intenso, 
Que me devora 
E me traz
A angustia ao peito.
Vou sofrer, vou morrer, 
Porque não consigo resgatar
A minha amada.
Morro feliz
E eternamente apaixonado.
OUT97
JC

quinta-feira, 22 de junho de 2017

DESAFIANDO OS DOGMAS

Pegando numa data de dois mil milhões de anos o Ser Humano ( SH ) não se cançou de evoluir.
Mas nessa sua evolução muito tem de sofrimento e de incerteza e a necessidade de uma busca constante, fora de si, de alguma entidade, que aplacasse a sua ansiedade perante os " medos " , que foi criando no seu espirito.
Talvez menos os Egiptios, que tinham alguma tranquilidade perante o meio que os rodeava e o aceitavam como tal e invocavam os seus deuses para que a vida lhes fosse favoravel e satisfizessem as suas necessidades vitais.
Essa invocação não tinha como intenção uma justificação para a sua existência ou um comportamento do SH que fosse favoravel aos deuses e mais tarde ao deus.
Com a teologia da tortura psicologica o SH passou a uma constante dependência do medo atraves de conceitos inexistentes, mas que o torturavam e amedrontavam.
Há pela doutrina um apelo constante à subserviência  inculcando " medos " como forma de dominação, como o medo da morte, a tortura do pecado, o fim do mundo ou a ida para a tortura atraves do fogo do inferno.
Num golpe politico/religioso milhões de anos de vivência Humana foram reduzidos à tentativa de esquecimento de todas as experiências em que o SH acreditou.
E tudo o que em termos de pensamento e crença existiu, foi reduzido a nada.
E todos os que acreditavam naquilo em que acreditavam tiveram de deixar de o fazer a troco de renegarem todas as suas crenças ancestrais ou não o fazendo, com o sacrificio da propria vida.
A maior parte dos analistas , vamos chamar-lhes assim,  deve sofrer de imparcialidade mental ou não pensam ou rapidamente alinham da visão dos contraditórios, que nos querem impor.
Parece que não reflectem sobre os temas e probemas mais importantes, que nos rodeiam. Em que as desigualdades são gritantes e poucos procuram o criador divino, das situações de guerra, pobreza, desertificação, homicidios, enfim, desgraças.
E quem é o criador destes mal fadados factos ? 
Parece haver uma suspensão da crença no criador das desgraças ou essas designações são orfans, porque dizem alguns, que deus foi morto, forma depreciativa de dizer, que havera sempre alguem, que pensara de forma diferente enquanto não for ostricizado ou morto.
Como não se consegue ter uma explicação palpavel que se possa demonstrar surgem as justificações injustificaveis tambem elas , como são os denominados " problemas  metafisicos e existenciais ".
Os filosofos e teologos post gregos nunca se perguntaram em frente ao espelho - quem eram e o que faziam ali.
Mas é muito facil adulterar os dogmas filosoficos e teologicos, já sem qualquer jogo dialectico, pois que a dialectica já tinha sido colocada cadaver há muito tempo. 
Ou dogma ou dialectica - os dois conceitos são inconciliaveis.
Se os teologos e os filosofos se perguntassem quem são e o que fazem talvez fosse facil encontrar uma justificação para o SH concluindo sem duvida - O SH É.
Como a metafisica é recente e a historia do SH é muito mais longa, com uma idade que muitos não conseguem determinar, conclui-se, temos de concluir, que o SH não foi criado, mas gerado juntamente com a terra e com o universo.
Telogos e filosofos ainda não encontraram uma explicação para a existencia do SH e a sua transcendente grandeza.
Não olham, não investigam a grandeza do SH, como o unico ser capaz de raciocinar e de desenvolver tecnicas para melhorar a sua vida, embora nem sempre o consiga.
O SH não foi criado nem evolui-o do macaco mas foi posto ou gerado juntamente com todo o universo conhecido.
De todos os seres vivos o SH é o unico que tem capacidade intelectual para se sobrepor a todos eles sem utilizar apenas a força fisica.
O SH é o unico capaz de raciocinio e de corrigir tecnicas e conceitos antes utilizados atraves dos seu pensamento e da sua memoria.
Todos olham para o exterior, colocam o SH como objecto de experiencias e de criações, mas poucos o olham como um Ser que é, que foi posto atraves da necessidade intrinseca da conservação da especie e da selecção natural.
O SH é ilustre mentor de todos os acontecimentos, que o afectam e afectam os seus concidadãos.
Ao longo dos seculos de vivencia Humana os conceitos foram evoluindo , criados e recriados, como dialectica, escolastica, metafica, crenças, deuses, etc.
Com um senão, pois que nenhum pensador coloca o SH como origem de todo o saber e do seu desenvolvimento.
Discute-se, sem dialectica, no sentido dos contrarios - positivo, negativo; sim, não;mal,bem;verdade,mentira; ceu,inferno,etc.
Dizem alguns que a grande maldição da filosofia moderna é a rebelião , que prevalece, quase universalmente, contra a autodisciplina  intelectual.
Filosofos e teologos, economistas, cientistas são muitos deles intelectualmente desonestos, porque não são capazes , como Seres Humanos, de se auto analisar.
Não são capazes de se auto-inspeccionar.  A introspecção não é o seu forte.
É mais facil dizer inverdades, como a que diz, que a verdade pode ser encontrada, mesmo na metafisica.
Discutem com veemência de argumentos, pode ser que alguem os ouça e aceite o que nasceu primeiro - a galinha ou o ovo e a necessidade que a galinha teve de um galo para fecundar a cicatricula, dando assim continuidade a especie dos galinaceos.
Para concluir com uma penada de que esta e outras verdades estão na metafisica.
Como a existencia do universo, conhecido e desconhecido, não tem discussão.
É apenas e só um dado, adquirido por todos os que têm discernimento para o entender.
E essa entidade suprema e brilhante, que tem essa capacidade é apenas e só o SER HUMANO.
O SH é o centro do universo - o unico que tem capacidade para se fazer deus e de criar deuses.
Filosofos e teologos são na sua maioria levados pelo " medo " ou pelos medos, que lhes incutem de criança ou que apreendem ao não encontrar explicação para determinado fenomeno desconhecido.
Um dos medos mais aterradores, tortura psicologica de toda uma vida é o " medo da morte ".
E sobretudo e ainda mais amedrontador o que virá depois.
As mumias egiptias que o digam.
É que o SH não aceita ou dificilmente o faz de que a sua vida teve um principio e vai ter um fim.
O SH não aceita a finitude da sua existência.
O SH precisa mais do que nunca de uma dialectica universal para implantar o SH no lugar que lhe pertence - centro do universo - desencadeador de toda a evolução da sua existência, criador de toda a verdade, filosoficas e metafisicas.
Crendo-se deus, felizmente apenas alguns ou criando deuses à medida das suas conveniencias e experiencias na tentativa de explicação do desconhecido.
É que, como centro do universo, o SH tem um cerebro, que só ele tem e diferente de todos os outros.
Um cerebro que raciocina, que pensa, que inventa, que progride, mas, que havera sempre um mas, só o consegue fazer se lhe forem dados elementos de conhecimento basico para os desenvolver.
Se esses elementos basicos não lhe são proporcionados, então fica atrapalhado com o desconhecido.
À pergunta porque existo apetece-me responder,  que existo porque um maluco de um espermatozoide do meu pai se uniu ao ovulo da minha mãe  para que a especie Humana não estagnasse e podesse progredir de geração em geração.
Perante o desconhecimento dos fenomenos naturais, tempestades, vulcões, tsunamis, trovoadas, o SH, na sua pequenês, procurava refugio clamando aos deuses ou às divindades.
Era o seu instinto natural , que mais tarde, alguns dos seus semelhantes aproveitaram para manter e ate acentuar os seus medos e as suas angustias, criando lendas, que só ajudavam o SH a permanecer na tortura psicologica por toda avida e ate para alem do fim da vida, no alem ou talvez no céu ou acreditando que poderia ressuscitar, um dia.
Uma das histórias mais brilhantes é a descrição da criação por um dos livros de Abraão ou melhor da biblia, saida de um golpe politico-religioso de Constantino no concilio de Trento.
E reza essa biblia que deus criou o " mundo " - criou um nada , porque o mundo não existe - como os gregos já tinham observado e discutido existe a terra e o universo. O mundo não existe.
E criou o homem. Ora o homem tambem não existe. O que existe e já existia era e é o SH, que poucos reconhecem como ser superior e centro do universo.
Mais tarde , divino esquecimento, lembrou-se de que necessitava de uma mulher. E vai daí arranca uma costela e criou a mulher.
Se não foi clonagem é uma historia mirabulante.
E colocou o casal no paraiso com uma terrivel condição - não comer o fruto da arvore da sabedoria.
Se não podia comer o fruto da arvore da sabedoria tinha de permanecer estupido toda a vida. Esta proibição-condenação por viver no paraiso, que não na terra, foi um atestado de estupidez.
Mas o Adão e a Eva comeram e de imediato foram condenados sendo expulsos do paraiso e condenados a trabalhar e a ganhar o pão com o suor do seu rosto. O dogma do trabalho e o fim da recolecção.
É o que muitos ainda hoje fazem, vivendo com o dogma da necessidade de trabalhar.
Brilhante criação de atestado de estupidez e de desprimor do " homem ", suponho que do SER HUMANO. Ou não.
JUN2017
JC







quarta-feira, 21 de junho de 2017

POETA NÃO SOU 117

Beija flor

Gostava 
De ter uma 
Varinha mágica,
Para poder
Transformar,
Todas as mulheres
Em flores.
E a ti,
Na mais bela de todas,
Sem qualquer favor.
E com a mesma magia,
A mim mesmo 
Me transformar
Em beija flor.
E concretizar assim
Uma atracção, 
Tão natural, 
Como o nascer 
E o morrer.
DEZ97
JC

POETA NÃO SOU 116

Se eu não fosse o que sou.
Se tu não fosses o que és.
Se eu desabridamente
Pudesse declarar 
O que estou a sentir,
Sofrer e calar,
Seria certamente mais feliz.
Quereria saber
Se o meu e o teu coração
Bateriam em contraponto
Ou seriam comandados
Por um mesmo
Comando.
Mecanismo complexo,
Que não tem explicação.
Que nos afecta,
Qual maleita sem cura.
Que de tormenta em tormenta
Nos causa dor e solidão.
Não queria ser o que sou.
Não queria que fosses o que és.
NOV97
JC

POETA NÃO SOU 115

Estou louco, 
Louco de paixão.
Não me conformo
Com esta separação.
Queria ver-te.
Preciso ver-te.
Porque o teu olhar, 
O teu andar, a tua beleza
É o meu alimento.
Nada mais peço.
Nada mais quero.
E se aquilo que sinto
Nada te vai dizer,
Não me faças sofrer,
Não me dando
Uns breves segundos,
Do teu belo 
E encantador ser.
Nov97
JC